Blog da Five Acts

13 de Novembro de 2020

governança de dados: práticas, conceitos e novos caminhos

Qual espaço a governança de dados ocupa na sua empresa?

Se o assunto ainda não está na ordem do dia, é bom rever a estratégia.

Hoje, quem não tem dados confiáveis não sabe bem para onde ir e, com a falta de objetivos claros, tende a enfrentar dificuldades para tomar decisões certeiras.

É para garantir que dados valiosos para a organização serão coletados, tratados e geridos corretamente que se dedica essa importante área.

Neste texto, vamos apresentar tudo sobre a governança de dados e como colocar a estratégia em prática.

Siga acompanhando!

O que é governança de dados?

Tomado de forma isolada, o termo governança diz respeito ao controle de todos os atos e processos indispensáveis para a gestão em uma empresa.

Ou seja, sem governança não há governo, já que, sem a primeira, o segundo não é capaz de se auto-gerir.

A partir disso, a governança de dados se refere a todos os processos que uma organização adota para assegurar o acesso e uso de informações estratégicas.

Nesse quesito, infelizmente, as notícias não são boas para a maioria das empresas no Brasil e no mundo 

De acordo com uma pesquisa da Serasa Experian (confira a íntegra em pdf neste link), para os líderes entrevistados, 28% dos dados disponíveis contêm algum tipo de erro ou divergência.

Sendo assim, mais de ¼ da informação usada para decidir está comprometida, o que a torna inútil para qualquer propósito empresarial.

Pois a governança de dados pode ajudar a corrigir esse tipo de falha, garantindo que os dados usados sejam confiáveis e de qualidade.

Qual a importância da governança de dados para as empresas

Vamos voltar à pesquisa da Serasa Experian para entender a importância do assunto.

Para 78% das empresas participantes, a falta de dados é um problema. Entre elas, 30% alegam não estarem prontas para se tornar Data Driven.

Fica claro que colocar em prática um setor ou contratar profissionais capazes de orientar os processos de captação e tratamento de dados é questão de sobrevivência.

Isso porque, como você já viu, sem dados, não há como tomar decisões, pelo menos não se a intenção for fazê-lo com segurança.

Dessa forma, é correto concluir que, sem governança, a empresa passa a se expor a riscos desnecessários.

Esse talvez seja o seu benefício mais imediato: a governança ajuda a reduzir as ameaças que podem prejudicar a saúde financeira de um negócio.

Afinal, com dados em quantidade e qualidade, fica muito mais fácil a tarefa de antecipar possíveis problemas e, dessa forma, encontrar as soluções que estejam ao alcance.

Governança de dados e LGPD

governança de dados (lgpd)
Governança de dados e Lei LGPD: Como funciona a Lei Geral de Proteção de Dados?

Entrou em vigor no dia 18 de setembro de 2020 a nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Inspirada na legislação europeia, ela vem para disciplinar o uso que as empresas fazem dos dados que coletam das pessoas pela internet.

Logo, o cenário daqui para a frente é de leis e normas cada vez mais duras com as organizações que não dão a devida atenção ao tratamento desses dados.

De acordo com a LGPD, empresas que comprovadamente adotarem práticas lesivas em relação aos dados de terceiros podem receber uma dura punição.

As sanções vão de simples advertência até multas que correspondem a 2% do orçamento da companhia, podendo chegar a R$ 50 milhões.

Como você deve imaginar, uma excelente prática para se afastar desse tipo de risco é, justamente, investir em governança de dados.

Os objetivos da governança

Considerando a rigidez da lei e a falta de preparo das empresas no tratamento dos dados, a governança assume um papel de protagonista.

Isso porque, entre seus objetivos, está o uso dos dados como matéria-prima para gerar informações confiáveis sobre as atividades de uma empresa, guiando as decisões de gestores.

A governança de dados se dedica a direcionar as estratégias da empresa para casos concretos, tomando como base as informações que ela obtém a partir de seus clientes, colaboradores e fornecedores.

Como fazer governança de dados [Passo a Passo]

Estamos em plena era do Big Data, na qual dados só fazem diferença quando são extraídos de múltiplas fontes.

Nesse contexto, é preciso contar com ferramentas que deem conta de explorar o gigante universo de informação disponível.

Quer uma dica? 

Com as plataformas Alteryx Designer e Tableau Data Management, soluções analíticas da FiveActs, sua empresa se habilita a tratar de seus dados com rapidez e precisão.

Mas, além das ferramentas, é preciso ainda “preparar o terreno” para que a governança de dados possa cumprir bem o seu papel.

Vamos ver como fazer isso?

1. Mapeie os setores que geram maior volume de dados

O primeiro passo é mapear os setores críticos em relação ao volume de dados gerados.

Vendas, compras, estoque e marketing são alguns exemplos, já que deles se origina informação que pode pautar toda uma estratégia comercial.

2. Verifique se a sua infraestrutura suporta uma política de governança

Ok, agora você já sabe quem é quem no quesito geração de dados. Será que sua empresa tem o que precisa para dar conta do desafio? 

Por isso, em uma segunda etapa, é preciso garantir que você conta com a infraestrutura, pessoas e os processos para dar início a uma política de governança para os dados gerados.

3. Treine e qualifique os profissionais envolvidos

Seja qual for a conclusão que você tirar a partir da segunda fase, é certo que será necessário investir em algum tipo de treinamento. 

Afinal, governança de dados profissional é aquela que atende ao modelo previsto na NBR ISO/IEC 38500, a norma padrão para esse setor.

Ferramenta para governança de dados: como escolher

ferramenta para governança de dados: dicas para escolher
Saiba como escolher a ferramenta para te auxiliar nos processos de governanças de dados

Para quem não tem tanta experiência no assunto, escolher a melhor ferramenta em processos de governança de dados pode ser bastante desafiador.

Que tal, então, utilizar uma que forneça uma experiência visual completa e simplificada? 

Nesse caso, nossa sugestão é o Tableau Prep, a ferramenta que faz a limpeza de seus dados, otimizando todo seu processo de análise.

Deixe para trás as incertezas e faça parte do time das organizações que dão o melhor uso aos dados gerados pelos seus leads.

Conclusão

A governança de dados há muito tempo deixou de ser um luxo para se tornar uma exigência nas empresas modernas.

Ainda mais depois da nova LGPD, deve haver um compromisso com a coleta e tratamento de informações valiosas para a organização e seu público de interesse.

Na hora de colocar essa estratégia em prática, não esqueça de utilizar as melhores ferramentas que o mercado pode oferecer.

Então, nossa dica final vai novamente para as plataformas Alteryx Designer e Tableau Data Management, suas melhores alternativas para colocar seu negócio de vez na era digital.

Conte com a FiveActs e suas soluções analíticas!

INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER