Blog da Five Acts

18 de Outubro de 2021

A sua empresa trabalha com diferentes tipos de benchmarking? Bem, independente do segmento de atuação dela, é bastante comum que gestores desejem saber o status da performance da empresa no mercado e quais melhorias precisam ser realizadas em seus produtos, serviços e processos para alcançar melhores resultados para aumentar a produtividade e competitividade.

Para isso, ela precisa fazer o monitoramento do mercado, utilizar métodos de pesquisa que encontrem pontos de referência, assim como a ajude a obter análises comparativas entre ela e outras empresas para avaliar seu desempenho.

Este processo de monitoramento e pesquisa é o benchmarking, uma metodologia para análise comparativa de mercado, feita entre empresas e que permite que elas identifiquem as melhores práticas da concorrência com o objetivo de melhorar resultados. E para cada necessidade há um tipo de benchmarking diferente.

Neste artigo, falaremos um pouco sobre cada um dos tipos de benchmarking e como eles podem ajudar a sua organização a crescer estrategicamente. Confira!

Onde o benchmarking pode ser aplicado?

A proposta principal dos tipos de benchmarking é promover desenvolvimento e melhorias contínuas na oferta de produtos e serviços. De forma geral, eles podem ser aplicado para:

  • Melhorar processos – analisando as melhores práticas da concorrência, seus níveis de eficácia, processos e resultados obtidos, é possível propor melhorias para os processos internos;
  • Melhorar desempenho – comparando os níveis de competitividade de produtos e serviços, como preços e qualidade , é possível propor soluções e adequações que a tornem a empresa mais competitiva no mercado. 
  • Melhorar estratégias –  identificando e analisando as estratégias competitivas de empresas de sucesso, é possível verificar quais erros estão sendo cometidos para corrigi-los, definir estratégias mais adequadas às metas que a empresa deseja alcançar.

Por que ele é importante para as empresas?

A importância do benchmarking está no fato dele permitir que empresas repensem processos, produtos e serviços, definam uma forma de adequá-los, inová-los para implantar novas soluções e estratégias. Além disso, permite que elas:

  • Inovem saindo à frente da concorrência;
  • Definam planos de crescimento e melhorem sua performance/resultados;
  • Mantenham-se atualizadas e alinhadas às necessidades e melhores práticas do mercado;
  • Façam redução de custos através da otimização dos processos;
  • Definam investimentos alinhados às novas propostas da empresa;
  • Diminuam ou eliminem erros e proponham soluções em um processo de melhoria contínua;
  • Tenham uma visão mais clara e estratégica dos processos e promovam a profissionalização ou terceirização dos mesmos;
  • Melhorem a comunicação empresarial.

Apesar dos excelentes resultados alcançados através do benchmarking, é importante ressaltar que nem sempre o que a concorrência pratica é adequado à sua realidade. 

tipos-de-benchmarking

Os principais tipos de benchmarking

Fazer benchmarking é uma excelente oportunidade para identificar o que impacta na performance da empresa, corrigir erros, traçar planos, definir métricas, metas e inovar. 

Quando realizado da forma adequada, traz inúmeras vantagens e benefícios para a empresa e garante resultados cada vez melhores, como vimos anteriormente. 

Por isso, para cada necessidade, existe um tipo de  benchmarking diferente que vai auxiliar a empresa de forma customizada. 

Benchmarking interno

É um dos tipos de benchmarking mais praticado e de aplicação mais fácil. As análises são feitas dentro da própria organização usando o desempenho interno de vários setores como parâmetro de comparação. Pode ser usado como um primeiro passo para que o benchmarking externo seja realizado com mais precisão.

Ao analisar dois setores diferentes com resultados diferentes, é possível levantar informações sobre melhores práticas que podem ser replicadas em outros setores. 

Vantagens: 

  • Não demanda grandes investimentos e as informações são de fácil acesso, pois circulam dentro da própria organização;
  • Permite uma compreensão mais profunda sobre os processos internos, pois as informações são disponibilizadas de forma mais fácil e organizada;
  • Geralmente, não há problemas de confiabilidade.

Riscos e desafios

  • Problemas internos podem interferir no retorno das informações, impedindo que haja melhores comparações.
  • Pode estimular a competitividade interna e comprometer o clima organizacional.

Benchmarking competitivo

É considerado o mais utilizado, pois envolve comparação direta entre empresas do mesmo segmento, os famosos concorrentes diretos. Nesse caso, as análises em relação aos que disputam pelo mesmo mercado, envolvem estudos sobre processos, posicionamento de produtos e serviços.

É comum usar dados oficiais sobre faturamento e crescimento, e análises diretas de produtos e serviços.

Vantagens:

  • Permite uma análise comparativa direta com os concorrentes quanto aos métodos de produção e suas características, produtos e serviços. Com isso, a organização sabe exatamente onde precisa implantar melhorias para superar a concorrência;
  • Oportunidade de fazer parcerias com outras organizações.

Riscos e desafios

  • É preciso estar atento às questões legais;
  • As informações obtidas podem não ser 100% seguras e confiáveis, pois por serem concorrentes diretos nem sempre há interesse em oferecer ajuda;
  • Excesso de exposição pode prejudicar a empresa no futuro.

Benchmarking funcional

Aqui, geralmente, os comparativos são feitos entre empresas que não são concorrentes diretos. Ele é focado em práticas comuns a todas as organizações, como a gestão financeira, logística ou controle de estoque.

 

Mas pode envolver alguns concorrentes indiretos, se assim achar necessário

Vantagens:

  • Pode ser altamente produtivo, por não haver problemas de confiabilidade e troca de informações;
  • Oportunidade de conhecer novas tendências, tecnologias, melhores práticas e soluções alternativas. 

Desafios:

  • Como as empresas são de ramos distintos, os processos podem ser muito específicos e a cultura organizacional também. Desta forma , algumas práticas não são aplicáveis e pode ser difícil encontrar funcionalidades comuns entre elas para comparar. 

Benchmarking genérico

Neste tipo de benchmarking o processo comparativo é mais amplo, e as empresas envolvidas podem ou não serem do mesmo segmento. Assim, o foco aqui não está em análise de produtos e serviços, mas em encontrar pontos de melhoria e inovação a partir da análise de processos semelhantes. 

Um exemplo pode ser a área de sucesso do cliente ou um processo de atendimento, como uma venda,  desde a chegada do pedido até a entrega final.

Vantagem

  • A conceituação é mais ampla e o estudo mais detalhado, o que permite usar  referências mais adequadas e assertivas para o negócio.

Desafio

  • Pode ser mais complexo aproximar-se das melhores organizações, aquelas que são referência mundial,.

Os princípios do benchmarking 

 

A realização de um benchmarking demanda a observação de alguns princípios éticos e o alcance de bons resultados depende disso. Conheça alguns deles.

1- Confidencialidade

A proposta do benchmarking não é prejudicar a concorrência, mas estudá-la para promover aprendizado e desenvolvimento para a organização. Por isso, é necessário garantir a confidencialidade e o sigilo dos dados recebidos

2- Reciprocidade

Princípios como honestidade, parceria e colaboratividade são fundamentais. Por isso, fornecer dados equivalentes aos que foram recebidos é sempre válido e promove bons relacionamentos e parcerias. 

3- Legalidade

É indispensável que informações obtidas durante o processo sejam válidas e colhidas de maneira legal. É importante ficar atento à veracidade das informações, já que algumas empresas podem não ser tão transparentes ao fornecê-las. 

Além disso, ressaltamos a importância da LGPD e a proteção dos dados recebidos, sejam eles de outras empresas ou dos usuários.

4- Contato

É importante que seja feita uma seleção antecipada e cuidadosa dos profissionais que estarão em contato no repasse de informações. Isso garante maior sigilo e que os dados sejam coletados de forma ética e profissional. 

5- Preparação

Algumas perguntas devem ser levantadas antecipadamente para garantir que as informações necessárias sejam coletadas.É importante deixar claro porque uma determinada informação está sendo coletada e como ela será usada. 

Como o Big Data pode ajudar?

Investir em benchmarking e inteligência competitiva pode trazer excelentes resultados para uma organização. Para isso, ela precisa obter insights e respostas que permitam um processo decisório mais inteligente e estratégico.

Isso pode ser alcançado através de ferramentas e soluções inovadoras que garantirão que o processamento das informações seja feito de forma mais robusta, segura, rápida e assertiva.

Quer saber mais? Então baixe nosso infográfico “17 estatísticas reveladoras sobre o futuro do Big Data” e informe-se sobre a importância do Big Data para a gestão de sua empresa e como ele pode ajudá-la na realização dos diferentes tipos de benchmarking.

INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER